Partidos nanicos torram dinheiro público

Mirela D´Elia, do Correio Braziliense

Os recursos do fundo partidário — constituído, em grande parte, por dinheiro público — não estão sendo gastos da forma correta por todos os partidos, como manda a lei. A prática é verificada entre os “nanicos”, que não conseguiram comprovar como estão torrando a verba e agora amargam a perda do fundo. Levantamento feito pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a pedido do Correio revela que seis legendas não recebem as cotas mensais. Mesmo sem problemas, duas siglas maiores, PTB e PR, também pagam o pato: tiveram um corte no repasse da bolada e deixaram de abocanhar parte dos R$ 194,3 milhões distribuídos até outubro. O corte no dinheiro é feito quando as contas de uma agremiação política são reprovadas pela Justiça Eleitoral ou quando ela deixa de apresentá-las. A Coordenadoria de Exames de Contas Eleitorais e Partidárias do TSE (Coepa) confirma: a maior causa de rejeição de contas é a falha em comprovar que o dinheiro foi aplicado de forma legal. O órgão é responsável por passar um pente-fino na contabilidade das siglas todos os anos.

A punição dura um ano, mas algumas legendas são reincidentes. O PSTU está com o repasse suspenso desde dezembro de 2007 por problemas em 2003, 2004 e 2006. Outros partidos penalizados são PTN, PSL, PSDC, PTdoB e PCO. Juntos, os seis deixaram de receber R$ 256,6 mil no mês passado. PTB e PR também estão botando a mão em menos dinheiro por terem herdado siglas que não fecharam as contas. O PTB, que absorveu PSD e PAN, teve R$ 17,5 mil a menos. E o PR, fruto da fusão entre Prona e PL, deixou de ganhar R$ 86,9 mil no mês passado. O Prona, por exemplo, não conseguiu comprovar a destinação de R$46,1 mil de recursos do fundo em 2004. Em compensação, grandes legendas, que ganharam mais de R$ 1 milhão cada em outubro, conseguiram ainda mais com a repartição do dinheiro que seria destinado aos nanicos: PT, PMDB e PSDB receberam R$ 45 mil e o DEM, R$ 35 mil.

O PT já acumulou mais de R$ 20 milhões este ano. O PMDB recebeu R$ 19,6 milhões e o PSDB, R$ 18,6 milhões até agora.  De acordo com o titular da Coepa, Wladimir Caetano, os nanicos são vítimas da própria falta de infra-estrutura. “Quem tem mais dinheiro consegue ter mais mecanismos de controle, mas isso não isenta os demais partidos de suas responsabilidades”, completou. Argumentos apresentados por algumas siglas confirmam o raciocínio. “A equipe que faz a prestação de contas é pequena. Todas as atividades são realizadas por militantes. Isso tudo por não termos recursos para montar grandes aparatos como a maioria dos partidos”, justificou o PSTU, que admitiu “problemas” como “falta de controle de documentos” e “desconhecimento de algumas normas”. Mas ressaltou que está recorrendo.

Assinantes do Correio Braziliense, leiam mais aqui

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: