Cortes no Orçamento e CPI ameaçam concursos

Fernanda Odilla
Do Correio Braziliense 

Brasília – Diante da criação de mais uma CPI no Congresso e de uma arrecadação R$ 39,29 bilhões menor, tudo o que o governo mais quer é minimizar possíveis desgastes em ano de eleição. Para afastar o fantasma da greve geral de servidores, que ameaçam cruzar os braços a partir de março se o Ministério do Planejamento não cumprir os acordos assinados com dezenas de categorias, governo e base aliada no Congresso começam a traçar um plano. “Vamos adiar ao máximo a realização dos concursos e das novas contratações para não prejudicar os compromissos de reajuste salarial”, revela o vice-líder do governo, deputado Gilmar Machado, indicando o caminho da economia do governo.

Ainda assim, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, trabalha com a possibilidade de repactuar os prazos com os servidores. Contudo, não marcou data nem antecipou valores. Inicialmente, o Orçamento previa, para 2008, R$ 5,9 bilhões para novos concursos e contratações nos Três Poderes e no Ministério Público. Para os reajustes salariais, foram indicados R$ 4 bilhões. Deixar as nomeações dos aprovados em seleções para o segundo semestre reduziria em mais de 50% o impacto no Orçamento e permitiria fazer alguns ajustes no plano de concursos. Atrasar os reajustes também minimizaria os gastos do governo.

Assinantes, leiam mais aqui

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: